Fluxo de caixa – ferramenta indispensável à gestão empresarial

    Fluxo de Caixa é um Instrumento de gestão financeira que projeta para períodos futuros todas as entradas e as saídas de recursos financeiros da empresa, indicando como será o saldo de caixa para o período projetado. De fácil elaboração para as empresas que possuem os controles financeiros bem organizados, ele deve ser utilizado para controle e, principalmente, como instrumento na tomada de decisões. O Fluxo de Caixa deve ser considerado como uma estrutura flexível, no qual o empresário deve inserir informações de entradas e saídas conforme as necessidades da empresa. A grande utilidade do Fluxo de Caixa é permitir a visualização de sobras ou faltas de caixa antes mesmo que ocorram, possibilitando ao empresário planejar melhor suas ações. Na verdade, toda ação realizada por uma empresa resume-se a entrada ou saída de recursos financeiros! É nesse jogo de entra-e-sai que o Fluxo de Caixa mostra sua importância, pois ajuda a perceber com antecedência a falta ou sobra de recurso.

Abaixo algumas das atividades que o Fluxo de Caixa permite ao gestor financeiro:

  • Planejar e controlar as entradas e saídas de caixa num período de tempo determinado;
  • Auxilia a tomar decisões antecipadas sobre a falta ou sobra de recursos financeiros na empresa;
  • Permite verificar se a empresa está trabalhando com aperto ou folga financeira no período avaliado;
  • Verificar se os recursos financeiros são suficientes para tocar o negócio em determinado período ou se há necessidade de obtenção de capital de giro;
  • Planejar melhores políticas de prazos de pagamentos e recebimentos;
  • Avaliar a capacidade de pagamentos antes de assumir novos compromissos financeiros;
  • Conhecer previamente (planejamento estratégico) os grandes números do negócio e sua real importância no período considerado;
  • Avaliar se o recebimento das vendas é suficiente para cobrir os gastos assumidos e previstos no período considerado; ponto de equilíbrio
  • Avaliar o melhor momento para efetuar as reposições de estoque em função dos prazos de pagamento e da disponibilidade de caixa;
  • Avaliar o momento mais favorável para realizar promoções de vendas visando melhorar o caixa do negócio;
  • Fazer análise de sensibilidade; e retorno de investimento;
  • Calcular rentabilidade e lucratividade.

 

Erros que a empresa não pode deixar acontecer no fluxo de caixa:

  • Não atualizar o fluxo de caixa com periodicidade;
  • Não categorizar os lançamentos do caixa;
  • Contar com dinheiro que ainda não entrou;
  • Trabalhar com estoque abarrotado;
  • Contas pessoais e contas da empresa.

 

    Segundo Marion (2008, página 115) “sem o fluxo de caixa fica quase impossível projetar e planejar-se financeiramente. Sem orçamento (planejamento financeiro) é impossível ter uma administração Sadia.”

 

Fonte: texto adaptado da apostila do curso de Fluxo de Caixa – IBDEC

http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/0_fluxo-de-caixa.pdf

 

Escrito por Melissa Cristina Ponciano